6 indicadores que mostram como as mulheres avançaram (ou não) na América Latina

 

 

Por Terra

Pode-se dizer que as mulheres na América Latina têm o que comemorar. A região é considerada uma das que mais avançaram na igualdade de gênero no mundo - seu índice atual de paridade (em que zero significa desigualdade total e 1 significa paridade entre homens e mulheres) cresceu mais do que a média mundial, segundo o Fórum Econômico Mundial.


Mesmo assim, a igualdade só seria alcançada na região em 74 anos, mantendo este ritmo de avanços. E dentro de muitos países, a diferença entre os sexos diminui a passos muito lentos.

O Índice Global de Desigualdade de Gênero, criado pelo Fórum em 2006, atualmente mede a disparidade entre homens e mulheres em 149 países, em um cálculo que considera participação econômica e oportunidades no mercado de trabalho, acesso à educação, saúde e participação política.

Segundo o relatório mais recente da organização, a região América Latina e Caribe avançou 0,6%em direção à igualdade em 2017, mais do que a média mundial. Mas esse avanço foi puxado por países menores como Nicarágua, Costa Rica e Cuba.

Na América do Sul, Bolívia, Argentina e Colômbia são os mais bem colocados. O Brasil aparece entre os quatro últimos países da região (e em 95º lugar no mundo), acima de Paraguai, Guatemala e Belize.

"Na última década dá pra notar que houve bastante melhora, especialmente na educação de mulheres, mas há muitas coisas que os dados não mostram. A desigualdade é diferente entre os países, mas também dentro de cada país", disse à BBC News Brasil Mario Castillo, responsável pela Divisão de Assuntos de Gênero da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), órgão regional do Conselho Econômico e Social da ONU.

Seis dos 24 países latino-americanos e caribenhos, ainda de acordo com o Fórum Econômico Mundial, conseguiram atingir a paridade no atendimento de saúde, e 12 deles, no acesso à educação. O Brasil está nos dois grupos. Mas os problemas comuns a todo o continente são a igualdade de salários, a participação política e econômica das mulheres.

Clique Aqui e veja mais





Ilustração
Foto: BBC News Brasil
 

 


 


 
   
   
   

 

 

 

 
   
   
   
   
   
   
   

 

Atualizado: 08/03/2019 às 11h05