O menino do dedo verde … escuro

Grande parte de nossos leitores, tenho certeza, já ouviu falar da lenda do “Menino do Dedo Verde”, cuja história acabou virando livro. Ou foi o livro que criou a lenda ? Tanto faz. O que importa nisso tudo é saber que o menino do dedo verde, se é que me lembro da história que acho que li quando era criança, tinha o dom de fazer com que todo ser vegetal, toda “plantinha”, vá lá, que ele tocava, crescesse mais rapidamente ou se curasse de alguma doença.

E todos sabem que é verdade que existem pessoas que tem o dom de melhorar as coisas para si e para os outros apenas com um toque, ou um sinal de boca, e um desejo forte. É um tipo diferente de gente, uma gente que tem o poder de fazer florescer vida e prosperidade em lugares insuspeitos.

Mas tem o contrário também. Tem menino, mas mais “gente grande”, com o dedo verde escuro, bem escuro, e se posso dar o testemunho de alguma coisa aos leitores, é disso que vou testemunhar.

Pois bem, esse cara do dedo verde escuro do qual vou falar não mexe com árvores ou plantas e tem braço, perna, olho e nasceu no planeta terra, enfim, é aparentemente normal, como eu (?) e vocês (?) que agora me lêem, só que com ele acontecem coisas que se Deus não chega a duvidar, passa perto.

Há pouco tempo, sem qualquer explicação, a internet dele pifou. E a conta estava paga. Palpiteiro daqui, profissional de lá e nada da internet “dar as caras”, até que o técnico disse – Olha, pifou, mas não tem nada de errado. Vai ter que formatar tudo para começar de novo. E assim se fez.

Só que no dia seguinte foi o celular que, também “do nada”, explodiu e apagou. Não teve assistência técnica ou mandinga que desse jeito. O cara da loja até tentou ser simpático dizendo era assim mesmo, que poderia ser porque o aparelho era velho, só que no fim admitiu – Nunca vi isso. Parece coisa de olho gordo.  Acabou que o destino do celular foi mesmo o lixo (lixo reciclável, porque o cara é dedo verde escuro, mas é consciente).

Pensa que acabou ? De jeito nenhum, e vocês têm todo o direito de não acreditar, mas até na partida do carro ele tava dando interferência. A chave ora dava partida, ora não, e o mecânico não encontrava nenhum problema, mecânico ou eletrônico, nada. Resultado: teve que trocar a chave e desde então ele só põe a mão nela quando extremamente necessário, e ainda assim usando luva de couro.

Por essas e outras algumas pessoas se compadeceram e o cara de dedo verde escuro ouviu coisas do tipo “Esquece isso. Acontece com todo mundo” ou ainda “Já ouviu falar de coincidência ? Então, normal”. Pode até ser, mas ele não acredita, ainda mais depois que passou à noite por uma rua deserta e as luzes dos postes foram se apagando, conforme ele passava.

José Carlos Botelho Tedesco – Alemão Tedesco – (46) é advogado / e-mail: zeum@uol.com.br

PS – Seção “lição de moral”: estragar aparelhos eletrônicos não é bom, mas tudo bem, passa. O problema é quando o dedo verde escuro toca pessoas

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta